Riscos de saúde das impressoras 3D

De Área31 Hackerspace

Riscos de saúde

As impressoras que criam objetos tridimensionais tornaram-se populares entre artistas e interessados em peças personalizadas, de orelhas biônicas a armas de fogo. No entanto, podem ser prejudiciais à saúde em locais com pouca ventilação.

Um estudo publicado na revista Atmospheric Environment, do Instituto de Tecnologia de Illinois, afirma que as impressoras 3D liberam minúsculas partículas de plástico no ar, que podem causar problemas de saúde se forem inaladas.

A maioria das impressoras 3D de mesa trabalha com a extrusão de fios de plástico em altas temperaturas. Os plásticos utilizados são de dois tipos: acrilonitrila butadieno estireno (ABS), presente nas peças de Lego; e o ácido polilático (PLA), mais mole, usado para produzir equipamentos médicos, copos e talheres de plástico.

Os pesquisadores testaram marcas populares de impressoras 3D, medindo a quantidade de partículas de plástico liberada pelas máquinas. Minúsculas, as partículas medem alguns nanômetros de comprimento. Impressoras que usam plástico ABC liberam cerca de 190 bilhões de partículas por minuto, enquanto as máquinas PLA liberam 20 bilhões. Com esses números, ambas as máquinas são classificadas como “grandes emissoras”.

Além dos efeitos prejudiciais da inalação das partículas plásticas, sobretudo as ABS, os materiais são aquecidos a altas temperaturas e podem se converter em outras substâncias tóxicas.

A solução é relativamente simples: use sua impressora 3D em um local bem ventilado, ou, pelo menos, deixe a janela aberta.


Por Jesse Emspak

http://noticias.discoverybrasil.uol.com.br/impressoras-3d-podem-fazer-mal-a-saude/