Quantos bitcoins realmente existem

De Área31 Hackerspace
Revisão de 20h58min de 16 de abril de 2021 por Coffnix (discussão | contribs) (Criou página com 'Uma das dúvidas mais comuns de quem acaba de chegar ao mundo do Bitcoin é: quanto é a emissão total do bitcoin e quem a controla? Neste artigo explicaremos em palavras sim...')
(dif) ← Edição anterior | Revisão atual (dif) | Versão posterior → (dif)

Uma das dúvidas mais comuns de quem acaba de chegar ao mundo do Bitcoin é: quanto é a emissão total do bitcoin e quem a controla? Neste artigo explicaremos em palavras simples quanto será a emissão total de bitcoin e como este parâmetro é controlado em uma rede descentralizada.

Todos nós já ouvimos dizer que a quantidade total de bitcoin é limitada a uma emissão de 21 milhões de moedas. Já vimos isso em muitos artigos dedicados a explicar de maneira simples como o Bitcoin funciona.

No entanto, neste ponto, vale a pena perguntar, Quão verdadeiro é isso?. O que uma quantidade tão limitada de bitcoins realmente garante?. Quanto tempo vai demorar até a edição total?. O que acontecerá após a emissão total de bitcoins? Essas perguntas são completamente válidas neste momento e neste artigo as examinaremos juntamente com outros dados interessantes sobre a questão dos bitcoins.

Qual é a questão real e total de bitcoin? Quando Satoshi Nakamoto introduziu o mundo na tecnologia Bitcoin, muitos ficaram surpresos com sua criação. Em particular, devido ao sistema econômico descentralizado tão bem alcançado que apoiou esse criptomoneda. Dada a natureza econômica descentralizada do Bitcoin, Nakamoto projetou um sistema de emissão de moeda controlada. Esse sistema de emissão foi projetado para permitir inflação monetária controlada totalmente autônoma. Ninguém intervém, a única coisa que o controla é um pedaço de código de computador cujas instruções são a lei absoluta. De fato, com o passar do tempo, o Bitcoin tende a deflação.

Este sistema mantém um equilíbrio marcado entre diferentes atores no Bitcoin. Passando pelo trabalho e pelo tempo mineração, a dificuldade disso, o poder total de mineração da rede, o compensar recebidos por cada bloco e a circulação total das moedas. Tudo isso é controlado de forma autônoma pelo protocolo operacional Bitcoin projetado por Nakamoto. Nesse sentido, a emissão controlada de Bitcoin está programada para se tornar "muito perto" dos 21 milhões de Bitcoins, mas não atingirá a quantidade exata.

Para ver isso em mais detalhes e entendê-lo, vamos olhar para a seguinte caixa:

Emissão total de Bitcoins ao longo do tempo Durante os primeiros 4 anos do Bitcoin (2009-2013), foi alcançada uma questão de 10,5 milhões de BTC. Isso ocorre porque a recompensa do bloco era de 50 BTC e havia um total de 210.000 blocos com essa recompensa. Então a recompensa foi reduzida pela metade halving do Bitcoin, e a emissão dos seguintes 210.000 blocos foi equivalente a 5.250.000 BTC.

A política de redução de recompensas pela metade controla a inflação e reduz a quantidade de bitcoins emitidos. Se você continuar emitindo normalmente, ao chegar pela metade a 34, o que deve acontecer no ano de 2144, haveria 20.999.999,9993 BTC em circulação e a recompensa em bloco será zero BTC. É uma quantia muito próxima de 21 milhões de BTC, mas "Não exatamente" essa quantia.

Até então, o Bitcoin terá 135 anos. Durante esse tempo, a tecnologia blockchain certamente evoluirá para algo totalmente novo.

É interessante ter alguma perspectiva sobre qual será a evolução do Bitcoin no futuro para entender seu valor. Na tabela a seguir, você tem a previsão inicial verdadeira da emissão de bitcoin até a trigésima quarta metade:

O que garante a emissão de bitcoins? Como mencionamos antes da edição total do Bitcoin é um recurso que está integrado na programação do mesmo. Assim, foi criado e, portanto, permaneceu por todo esse tempo. Os atuais desenvolvedores de Bitcoin foram cuidadosos e claros para não alterar isso. Bem, alterar significa fazer uma hard fork de Bitcoin com todos os problemas e situações que ele representa. Neste ponto, a comunidade de desenvolvimento de Bitcoin foi declarada muitas vezes como “purista"Ou"extremista" Mas a verdade é que eles queriam manter o espírito original do Bitcoin junto com suas especificações.

Por exemplo, melhorias como SegWit o Lightning Network melhorar a escalabilidade e a segurança do sistema, mas não quebre esse equilíbrio econômico. Podemos dizer então que a garantia da emissão total do Bitcoin não está apenas no código, mas também na comunidade. Uma comunidade muito ativa que vive no ecossistema Bitcoin e o sustenta em todo o mundo. Uma comunidade que concorda com o sistema e o protege. Qualquer alteração na emissão de moedas por qualquer das partes quebraria o equilíbrio e toda a confiança. Isso inevitavelmente se traduziria no enfraquecimento e até na queda do Bitcoin. Uma situação final indesejável por todos os lados, pois representaria perdas de vários milhões de dólares em escala global.

Quantos bitcoins foram perdidos? Porém, apesar de toda a programação e dos meios criados para garantir a correta emissão de bitcoins, ocorreram pequenos erros no processo. Por exemplo, o primeiro bloco extraído de Bitcoin, o bloco de gênese tem uma transação com base em moeda que não pode ser usado. Isso significa que existem 50 BTCs nesse bloco que ninguém pode usar, nem mesmo seu mineiro, Satoshi Nakamoto. Outros erros, por exemplo, podem ser vistos no bloco 124724. Nesse bloco, foi feita uma tentativa de reivindicar intencionalmente 0,00000001 BTC abaixo do permitido, mas acidentalmente também não reivindicou comissões, perdendo 0,01000001 BTC.

Outro erro de programação pode ser visto entre os blocos 162705 e o bloco 169899. Um total de 193 blocos alegou menos do que o permitido devido a um erro, resultando em uma perda total de 9,66184623 BTC. O mesmo aconteceu, por exemplo, entre os blocos 180324 e o bloco 249185. Entre estes, havia um total de 836 blocos reivindicados abaixo do permitido, resultando em uma perda total de 0,52584193 BTC. O bloco 501726 Ele não obteve resultados de transação (exceto um compromisso de valor 0), perdendo toda a recompensa: 12,5 BTC.

Cada um desses erros adicionou bitcoins que não fazem parte do ecossistema econômico do Bitcoin. Ninguém pode usá-las ou recuperá-las, são as chamadas "moedas perdidas" que ninguém pode desfrutar.

Uma situação replicada Mas o Bitcoin não é a única criptomoeda com essas características. Todas as criptomoedas tomaram a tecnologia Bitcoin como base e a adaptaram ou melhoraram. Muitos deles ainda são guiados pelo mesmo sistema econômico que suporta o Bitcoin. Outros deixaram de lado e tomaram a decisão de gerar infinitas emissões com outros sistemas de emissão e controle da inflação.

Por exemplo Litecoin Possui um sistema de emissão de moedas muito semelhante ao Bitcoin. Sua metade acontece a cada 840.000 blocos e suas recompensas são divididas ao meio. Seu tempo entre os blocos é de 2,5 minutos em vez de 10 minutos como o Bitcoin. Isso resulta em uma inflação um pouco mais alta que a do Bitcoin, mas enfrenta o mesmo problema de emissão total. No Litecoin, esse número total é de quase 84 milhões de moedas. De fato, se examinarmos esses dados de maneira mais global, veremos que o Litecoin quadruplica apenas seus números de emissão e pela metade e reduz a geração de cada bloco quatro vezes.

No caso de Ethereum, a mudança de emissão é completamente diferente. A emissão é infinita e com um ajuste inflacionário dinâmico. Outros ajustes de emissão são aqueles apresentados, por exemplo, no monero. Monero tem uma emissão de Bitcoin muito semelhante, mas muito mais acelerada. De fato, a questão total de Monero será alcançada em 2025. Mas, naquele momento, o "Emissão de cauda". Esta é uma questão de moedas infinitas que manterá a inflação muito baixa em Monero. Tudo isso para manter um incentivo para as mineradoras Monero. Como você pode ver, cada projeto e criptomoeda tem sua própria forma específica de emissão e a fórmula para controlá-lo de forma autônoma e descentralizada.[1]


Referências: